A Unimadeiras leva proprietários florestais Portugueses à região da Provence, em França, numa partilha de conhecimento e experiências com outros proprietários

Categories: Noticias

A Unimadeiras organizou uma visita a propriedades florestais, no sul da Provence, região de França caraterizada por uma floresta notoriamente diferente da existente em Portugal.

Esta visita de estudo e de sensibilização para as boas práticas florestais,  aumento da biodiversidade e partilha de conhecimentos entre proprietários, ocorrida entre os passados dias 4 e 6 de junho,  é um projeto FOREST-IN, projeto europeu de educação florestal liderado pela Universidade de Aveiro, através do Departamento de Biologia,  que promove, entre outros, a troca de experiências entre agentes em diversos paises europeus.

Nesta visita, os proprietários Portugueses tiveram a oportunidade de visitar agrupamentos de proprietários franceses, onde observaram carvalhos brancos, cedros, plátanos, nogueiras e várias coníferas (pinheiros negros, cipreste, abeto, sequoias etc.), sob uma vista panorâmica das montanhas de Sainte Victoire, Garlaban e Etoile.

Em Font de Mai foram trocadas ideias com proprietários agrícolas da região, no que respeita ao seu papel na redução de risco de incêndio florestal.

A visita prosseguiu para o maciço de la Sainte-Baume, onde experienciaram o contacto com uma floresta de excelência, composta por carvalhos brancos, faias, abetos, pinheiros negros, algumas centenárias, e todo um manancial de espécies de elevado interesse botânico.

Em Signes, numa propriedade de produção multifuncional, a produção de trufas reteve a atenção de todos os proprietários, reconhecendo, com este extraordinário exemplo, a importância do uso-múltiplo na floresta.

Também foi possível observar floresta em altitude em forêt de Verguine, montanha com níveis entre 300 e 850 metros, com carvalho verde e pinheiro de alepo, carvalho branco e pinheiro silvestre. Nesta montanha com uma paisagem deslumbrante e entrada restrita, foi possível observar a silvopastorícia e a realização de cortes de madeira.

A exploração de cortiça nesta região está na fase inicial, reconhecendo-se, no entanto,  o grande potencial e o trabalho notável no seu desenvolvimento sustentável.

A última visita, em la Môle, revelou a principal preocupação dos proprietários da Provence Francesa, a defesa da floresta contra incêndios.

Toda o planeamento e a gestão silvicola baseiam-se, quase exclusivamente na prevenção, facto que foi considerado, na opinião da maioria dos proprietários estrageiros, como insuficiente e arriscado,  em termos de gestão florestal.

Como resultado, esta visita de 3 dias, enriquecedora e veiculadora  de um valioso know how para ambas as partes, foram visitadas áreas florestais e florestas muito diferentes das existentes em Portugal, fundamentalmente biodiversas, de grande riqueza em termos de fauna e flora,  com escassas atividades de gestão e, na sua generalidade, pouco rentáveis económicamente.